“Transforming Spaces” é uma série sobre mulheres impulsionando mudanças em lugares às vezes inesperados.


Quando Chelsie Hill dança em sua cadeira de rodas, seu rosto conta tudo. Ela está absorta no momento além do palco, nas emoções que transmite, no seu poder de prender o público. Sua cadeira de rodas é parte intrínseca de sua silhueta, que ela manipula com força.

Sra. Hill, 27, é a fundadora do Rollettesuma equipe de dança para mulheres que usam cadeiras de rodas formada em 2012. Eles se apresentam em todo o país e organizam um fim de semana anual de empoderamento em Los Angeles para mulheres com deficiência, chamado de Experiência Rollettes. No final de julho, o evento atraiu 250 mulheres e crianças de 14 países ao Sheraton Gateway Los Angeles Hotel para aulas de dança, apresentações e seminários.

Mais de uma década depois de ela ter fundado os Rollettes, a história da Sra. Hill se espalhou muito além do grupo, incluindo orientação e educação para qualquer pessoa com deficiência que esteja em busca de comunidade.

“Ela mudou minha vida”, disse Ali Stroker, a atriz que fez história na Broadway em 2019, quando se tornou a primeira artista a usar uma cadeira de rodas a ganhar um prêmio Tony. Uma das amigas mais próximas de Hill, Stroker ganhou o Tony, de melhor atriz, por seu papel como Ado Annie na remontagem do musical na Broadway “Oklahoma!

Sra. Stroker, que ficou paralisada do peito para baixo após um acidente de carro quando tinha 2 anos de idade, disse que, enquanto crescia, nunca teve amigos que também usassem cadeiras. Hill, disse ela, está mudando vidas ao estender um convite aos usuários de cadeiras de rodas que vai além da dança.

“Por causa dela, muitas meninas que ficaram feridas recentemente tiveram suas vidas mudadas”, disse Stroker. “É mais do que dançar. Você faz parte desta irmandade, desta família. Como ela pode unir as pessoas está fora deste mundo.”

Quase 14 anos atrás, a Sra. Hill era uma dançarina campeã de 17 anos. Mas numa noite de Fevereiro de 2010, a sua vida mudou de uma forma que ela nunca poderia ter imaginado quando um grave acidente de carro a deixou com graves lesões na coluna e incapaz de mover a parte inferior do corpo.

Hill sempre se sentiu compelida a compartilhar sua história, enquadrando-a como um aviso. Quando adolescente, com a intenção de se tornar dançarina profissional, ela foi assombrada pelas decisões tomadas na noite em que entrou no carro com um motorista bêbado. Ela disse aos pais, em uma cama de hospital, algumas semanas após o acidente, que queria organizar um evento para discutir o assunto com seus colegas de classe.

“Eu era apaixonada por fazer com que os adolescentes entendessem que alguém poderia deixar de andar e não andar depois de tomar uma decisão errada”, disse Hill.

Crescendo no condado de Monterey, no norte da Califórnia, o início da vida de Hill foi definido por uma sensação de segurança e pertencimento que, segundo ela, a fazia se sentir invencível. Ela começou a competir em competições de dança quando tinha 5 anos.

“É difícil dizer o quão boa é uma criança de 5 anos, mas todo ano eu sempre ganhava um troféu e deixava minha família orgulhosa”, disse ela.

Como uma aprendiz prática e física, ela achou mais difícil se concentrar nos estudos. A dança, ela disse, era seu mundo e prioridade.

Quando era caloura, ela tinha um grupo pronto de amigos em seu popular time de dança do ensino médio, The Breaker Girls. “Há algo especial na dança quando você está em uma equipe, você está em sincronia com as pessoas”, disse ela.

Após o acidente de Hill, foi com The Breaker Girls que ela dançou novamente pela primeira vez. Seu pai, disse ela, reuniu cadeiras de rodas no norte da Califórnia e as levou para um estúdio com sua equipe de dança fisicamente apta.

“Todos eles se sentaram nas cadeiras e eu pude me apresentar com eles”, disse ela.

Carina Bernier, uma das amigas mais próximas da Sra. Hill que também fazia parte das Breaker Girls, lembra que foi “realmente desafiador descobrir, mas muito legal e divertido”. Ela acrescentou que Hill ajudou o grupo a coreografar a rotina daquele dia.

Mas por muito tempo após o acidente, a Sra. Hill negou seu ferimento.

“Sempre pensei que seria aquele milagre que se levanta e volta a andar, como se vê nos filmes”, disse ela.

Mesmo assim, nos anos após o acidente, ela voltou a dançar e acabou aceitando a realidade de seus ferimentos. Ela entendeu que deixou de ser alguém que não lutava para se encaixar e passou a ser alguém que agora tinha uma diferença visível.

“Tive uma sensação de estar tão sozinha de uma forma que nunca, nunca tive antes”, disse ela.

Tornar-se uma pessoa com deficiência e compreender-se como tal radicalizou a Sra. Hill, disse ela. Até ao acidente, sendo uma jovem branca, de classe média e saudável, ela não tinha realmente compreendido ou reconhecido as lutas pela igualdade e pelos direitos das pessoas com deficiência.

“Muitas pessoas não percebem o que está acontecendo no mundo até que isso afete vocês”, disse ela, acrescentando: “Isso me tornou uma pessoa mais forte. Isso me tornou um pensador crítico. Isso me tornou um inovador. Mas ainda é difícil, sabe?

Recuperar sua história como dançarina e cadeirante significou encontrar outras pessoas como ela. O primeiro passo foi quando ela se juntou ao elenco de “Push Girls”, um reality show improvisado sobre um grupo de mulheres ambiciosas que usam cadeiras de rodas em 2011, um ano após o acidente. O programa foi transmitido por duas temporadas, de 2012 a 2013, no canal Sundance.

“Elas se tornaram meus modelos”, disse ela sobre as mulheres do programa. “Elas se tornaram as garotas para quem eu pensava: ‘Como faço para usar salto alto? Como faço para namorar? Como coloco minha cadeira no carro? Como posso viver uma vida normal sendo uma jovem com deficiência?’ Todos eles me ensinaram como fazer isso.”

Em alguns cantos, porém, o programa foi criticado por seu tratamento superficial às pessoas com deficiência. Um crítico do The New York Times escreveu que o episódio de estreia entrou no modo “Você vai, garota” e que usou “um tom que sutilmente humilha”.

Mas, em um nível pessoal, para a Sra. Hill, o programa a ensinou a ter uma “pele dura desde muito jovem”. Ela adorou cada momento, disse ela – “até mesmo nos tempos difíceis”.

Em 2014, quatro anos após o acidente, a Sra. Hill mudou-se para Los Angeles para perseguir seu sonho de se tornar uma dançarina profissional.

“Foi muito, muito difícil entrar na indústria aqui em Los Angeles como uma pessoa com deficiência”, disse ela. “As pessoas olhavam para mim como se eu não pertencesse. Os coreógrafos não me deram atenção.”

Mas ela continuou indo às aulas, disse ela, “porque eu pensava: ‘Minha paixão pela dança é muito mais forte do que a sua opinião sobre mim’”.

Como um artista, Hill faz uso extensivo das mídias sociais, gravando suas danças, fazendo vídeos conceituais e vlogs. Muitas das mulheres que agora são Rollettes inicialmente a procuraram depois de vê-la online, escrevendo cartas e gravando vídeos delas dançando também.

Ela alcançou o que se propôs a fazer, criando uma irmandade impenitente e feminina que apoia outras pessoas. Através dos Rollettes, ela fez um círculo restrito de amigos, se apresentou em todo o país e destacou espaços de apoio para mulheres com deficiência enquanto construía o seu próprio. Em janeiro, ela e o marido, Jason Bloomfield, consultor financeiro, tornaram-se novos pais, batizando a filha de Jaelyn Jean Bloomfield.

Hill está ciente de que as pessoas veem empresas como a dela como instituições de caridade, incapazes de reconhecer os Rollettes através das lentes do sucesso. “Tenho esses homens mais velhos que preciso convencer de que minha empresa vale alguma coisa”, disse ela.

Mas ainda assim, ela persevera. Ela tem planos ambiciosos para o futuro dos Rollettes e deseja continuar compartilhando sua história pessoal. Ela até foi convidada para ser consultora em um novo filme de drama de dança sendo desenvolvido pela Disney“Grace”, que contará com uma dançarina que fica paralisada.

O filme poderá trazer mais visibilidade aos estimados 3,3 milhões de usuários de cadeiras de rodas nos Estados Unidos, uma comunidade que muitas vezes se sente invisível. Quase parece mais uma recontagem da história da Sra. Hill.

Fuente

Previous articleAções da LTIMindtree caem 0,27% com ganhos da Nifty
Next articleEmpresa de Robert De Niro considerada responsável em processo por discriminação de gênero

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here